sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Salvem os moradores de rua

As recentes notícias sobre crimes de homicídio relacionados aos moradores de rua em Maceió causa preocupação à sociedade alagoana de menor porte do que o devido. Crimes dessa natureza, e sua parca reação, revelam uma sociedade longe do cumprimento dos direitos fundamentais conquistados e presa às velhas estruturas que mantém a desigualdade em nosso estado. Boa parte de sociedade se sente mais segura e até vingada com as mortes dessas pessoas, pois elas representam a violência de em sua menor expressão contra os chamados "cidadãos de bem". Entretanto, a violência grave praticada contra essas pessoas vítimas da própria exclusão social e que cometem delitos de pequeno porte em virtude da ausência estatal na prestação de sua subsistência é mais significa e mais representativa do momento em que vivemos.

A discussão sobre aborto, por exemplo, parece ridícula ao vermos pessoas formadas e com cultura estabelecida, bem como vínculos familiares e afetivos, mesmo que frágeis, terem suas vidas ceifadas em nome de uma "higienização" das ruas.

Imagino um futuro muito tenebroso para sociedades que aceitam tais crimes, quase sem protesto, e que podem vir a referendar regimes ditatoriais de inspiração fascista em nome da manutenção da ordem e da paz. Essas pessoas não enxergam que o mal da sociedade não está representado pelas pessoas que pedem dinheiro ou eventualmente cometem pequenos furtos, mas naqueles que assassinam os primeiros em nome de uma sociedade menos violenta. O que eles conseguirão, certamente será o contrário.

E lembrem-se, o silêncio é uma atitude política.




Um comentário:

Basile disse...

A conta chega aos 31...