quinta-feira, 1 de abril de 2010

1º de abril: 46 anos do Golpe

Sofremos exatamente 46 anos atrás um golpe contra as instituições democráticas e ainda hoje não recuperamos nossa liberdade e cultura por completo. Sim, nossos problemas institucionais de hoje são reflexos, não exclusivamente, evidentemente, dos mais de 20 anos que passamos sendo governados pela direita violenta e torturadora que acabou com um sonho de Brasil feliz naquele período. Eu sou um filho da democracia, nasci em 1985, quando as coisas já não eram mais violentas como antes, então supostamente não tenho nada a acrescentar àqueles que viveram tais nefastos tempos. No entanto, como professor de Teoria da Constituição me sinto obrigado a sempre lembrar aos demais que não experimentaram os medos e distorções provocados a nossa memória nacional recente. Na Alemanha todos os filmes, livros e a própria educação na escola abordam o tema do Nazismo conscientizando os novos cidadãos do papel que eles tem em preservar essa memória como algo do que não se pode repetir. Afinal, melhor aprender com erros do passado e não repetí-los no futuro do que fingir que nada aconteceu. Aqui no Brasil vejo que as coisas caminham de outra forma. Não há discussões sobre o tema, tudo parece absolutamente superado, quando na verdade as pessoas não tomam consciência do papel delas na manutenção da democracia e mais, no seu incremento, pois se engana que vivemos numa democracia consolidada e indestrutível, até mesmo porque nenhuma o é. Hoje é um dia para se lembrar com tristeza, para se discutir, se comentar, e não para simplesmente se esquecer.